Transferência, e agora? Mudo ou não de faculdade?

Uma dúvida cruel que em algum momento ronda a cabeça dos alunos é sobre a transferência. Algo na instituição atual o incomoda ou você ouviu falar muito bem de outra faculdade que apresenta mais benefícios. Você mudou de cidade, ou bairro e não quer estudar longe porque está cansado. Hoje o post é para dar uma luz para quem quer transferir, mas não sabe quais critérios avaliar ou mesmo não tem coragem de trocar o certo pelo duvidoso.

Primeiro, vou falar brevemente sobre os motivos que me fizeram transferir de instituição, apesar de que vou falar de transferência de curso e de instituição.

Até o meu sétimo período estudei em uma instituição excelente, com uma estrutura que não deixava nada a desejar. E o mais importante e valioso da instituição: os PROFESSORES. Eu explico. Se você tem excelentes professores, todo o resto fica em segundo plano, porque eles são os profissionais que estão no mercado – no caso de uma faculdade particular – e que fazem as aulas acontecerem que vão te trazer o que há de melhor em conhecimento e dicas práticas, então, avalie principalmente os professores da sua instituição atual. Se forem muito competentes e dedicados, tiverem paixão por ensinar, então talvez você realmente deva permanecer aí onde está.

No meu caso foi tudo excelente até o sétimo período, apesar de pequenas alterações que vinham sendo feitas por parte de um grande grupo que comprou esta e várias outras instituições de ensino. O oitavo período foi péssimo. Alterações horrorosas aconteceram, pessoas incompetentes assumiram cargos num total despreparo e sem formação específica na área, a qualidade das aulas caiu muitíssimo, isso quando havia aulas e como falei, o mais importante – os professores – ficaram desmotivados e a qualidade das aulas, algo que deveria ser intocado, “foi pelo ralo”. Apesar de a mensalidade ser uma das mais caras da região. Sim, eu já falei aqui que sou bolsista, tenho bolsa integral. Eu pago o preço não em dinheiro, é estudando muito e exigindo uma educação digna, porque eu sei o quanto lutei para chegar até aqui. Então não sai “de graça”, como muitos brasileiros infelizmente pensam.

Após um semestre de lutas, decidi sair, porque não importava o quanto eu movimentasse os alunos, onde há pessoas que só reclamam nos corredores, não há mudança. Leia também Não entre na faculdade para ser um Zé Mané!

Enfim, eu cheguei ao um nível altíssimo de intolerância com a falta de respeito que o meu país tem pela educação em todos os níveis, porque isso infelizmente vem desde a educação de base. Esses foram, sem muitos detalhes, os motivos que me fizeram transferir com muito pesar, porque meus colegas de turma são ótimos e tive muita dor em deixá-los, sonhava em estar na formatura com eles.

Agora para você, vou escrever os critérios que devem ser pensados, avaliados.

1) Quero transferir de curso

Para você que não tem problemas com a instituição e sim com o curso que está fazendo porque se arrependeu de ter escolhido algo que não tem nada a ver com você, eu recomendo que leia FIZ O TESTE VOCACIONAL, E AGORA?Decidindo a profissão: o caminho do autoconhecimento, Temperamento: O que “isso” tem a ver com a minha profissão?, mas primeiro, responda a estas perguntas:

Em que período você está?

Falta mais da metade ou menos da metade para terminar o curso?

É importante porque se você descobriu que o curso não é para você já tendo concluído mais da metade dele é porque você é no mínimo muito desatento. Andou se arrastando. Neste caso, considere terminar este curso apenas para agregar valor no currículo. Mesmo que não tenha nada a ver com o novo curso que você pretende, talvez, num futuro não distante você use estes conhecimentos. Então, se chegou até aqui, vale a pena pegar o canudo, ter paciência, e começar o curso dos seus sonhos depois.

Agora se você começou e não concluiu nem metade do curso, aconselho que mude imediatamente. Viu que foi um erro, então não permaneça nele. Mas tenha certeza absoluta do que realmente quer fazer, para não entrar um ciclo de troca. Leia os posts anteriores deste blog sobre escolha de profissão.

2) Quero transferir de instituição

Primeiro responda a seguinte pergunta:

Por que eu desejo a transferência?

Se,

  •  a instituição é uma completa propaganda enganosa
  •  a estrutura não é adequada tendo em vista a mensalidade cobrada
  •  não estou sendo preparado para o mercado
  •  mudei ou vou mudar de cidade ou bairro e meu deslocamento vai pesar no meu orçamento, ou ficarei muito cansado

Então, estes são alguns motivos que considero relevantes para uma transferência. Claro, que a soma deles torna imperativa a mudança. Devo frisar que defeitos, serão encontrados em TODAS as instituições. Aqueles probleminhas de enturmação no começo do semestre, dificuldade em falar com o coordenador devem ser relevados porque acontecem em muitas instituições. Não há instituição perfeita, mas uma instituição séria melhora a cada semestre, então observe: desde que você entrou tem melhorado ou piorado? Se tem piorado você realmente deve pensar em procurar outro lugar.

Agora, quando NÃO MUDAR DE INSTITUIÇÃO.

Já ouvi aluno dizer que vai mudar porque estão cobrando muito dele, porque a porcentagem exigida para ser aprovado nas matérias é muito alta. Porque não tem tudo “mastigadinho” pelo professor. Por favor, claro que seus professores devem ser facilitadores da informação e ensinar com prazer, não para sacanear. Mas a cobrança é muito boa e nos faz crescer. Uma vez que saímos do ensino médio, a tendência é que as dificuldades e cobranças aumentem, é o normal da vida adulta. Então avalie o porquê de você realmente querer sair.

A forma como eles te tratam no momento da transferência faz toda a diferença também. Fui super mal atendida quando solicitei a documentação de transferência na antiga instituição. Isso só me deu a certeza que deveria realmente sair.

Então, avalie com cuidado os motivos da transferência de curso ou instituição, ou ambos, leia os posts anteriores deste blog se tiver dúvidas relacionadas à sua profissão e vá estudar. Boa sorte!

Assuntos que podem interessar:

Dá um tempo!

JÁ DECIDI O CURSO: FIES é uma boa opção?

JÁ DECIDI O CURSO: COMO INGRESSAR? (QUERO BOLSA | EDUCA MAIS BRASIL | MAIS ESTUDO NEORA)

JÁ DECIDI O CURSO: COMO INGRESSAR? (SISU)

JÁ DECIDI O CURSO: COMO INGRESSAR? (PROUNI)

 

 

JÁ DECIDI O CURSO: FIES é uma boa opção?

O FIES – Fundo de Financiamento Estudantil – é uma alternativa caso você não consiga ingressar pelo PROUNI, SISU, ou outros programas de bolsa parcial. Na verdade, o FIES é um programa do Ministério da Educação, onde é concedido financiamento a estudantes regularmente matriculados. Ou seja, caso o aluno tenha trancado o curso no momento da solicitação não podem utilizar, alunos que tenham bolsa parcial do PROUNI também não podem solicitar. Se a renda bruta do estudante for acima de 3 salários mínimos ele também não pode participar.

O ENEM, como sempre, é obrigatório e como no PROUNI E SISU, você não pode ter zerado a redação e a média não deve ser inferior a 450 pontos. A oferta de financiamento é para cursos presenciais, a uma taxa de juros de 6,5% ao ano. A inscrição é feita pela internet e você precisa ter um pouco de paciência nos períodos de aditamento – renovação de contrato – porque muitos alunos reclamam da dificuldade por falhas no sistema. Mas com persistência e paciência, você consegue.

Aconselho que você acesse as Perguntas Frequentes, disponibilizada no site do FIES para  tirar todas as dúvidas com relação a esta opção.

Eu aconselho que esta seja a sua ÚLTIMA opção. Tente primeiro as formas de ingresso mostradas aqui no blog, pois já que é um financiamento, você pagará todo o valor após se formar e para isso é preciso que você planeje muito bem suas finanças para imprevistos. É claro que há um período de carência para você se ‘firmar’ na carreira, mas ainda sim, é preciso jogo de cintura e planejamento, repito, tente as opções anteriores primeiro. Não estou aqui para desestimular ninguém. Eu mesma fui muito aconselhada a seguir esta opção, mas só foi ter um pouco de paciência, porque uma outra alternativa talvez seja melhor.

No site você consegue fazer uma simulação para ter noção do quanto pagará, se for viável, siga:

Simulação FIES

Se este post te ajudou, curta e compartilhe com seus amigos e conhecidos.

Caso você vá fazer a prova do ENEM mas ainda não tem noção da área que vai seguir, leia os posts anteriores deste blog:

E agora? Como decidir qual curso fazer?

Decidindo a profissão: o caminho do autoconhecimento

Curso Técnico ou Graduação?

Até a próxima!

 

Abraços!

 

JÁ DECIDI O CURSO: COMO INGRESSAR? (SISU)

Continuando a série FORMAS DE INGRESSO, hoje nós vamos falar do Sistema de Seleção Unificada (SISU). Ao contrário do PROUNI, o SISU é para ingresso em instituição pública de ensino. Então, se você sonha com uma instituição pública que tem o curso que você deseja este post pode te esclarecer algumas questões.

Quem pode se inscrever no SISU?

Primeiro, o candidato deve ter feito a prova do ENEM do ano anterior à candidatura e não ter zerado a redação. Como falei no post sobre PROUNI, não se esqueça de guardar o número de inscrição e a senha do ENEM, pois você precisará desses dados para fazer sua inscrição.

Como no PROUNI, você também tem primeira e segunda opções de curso e você pode alterá-las durante todo o período de inscrições, valendo a sua última escolha. Não se esqueça que a primeira opção é entendida pelo sistema como prioritária, ou seja, a ordem é importante e caso você alcance nota suficiente para ingressar nos dois cursos, valerá a primeira opção. Fique atento!

Alguns cursos podem exigir nota mínima para ingresso. Neste caso, o sistema emitirá um aviso a você informando caso sua nota seja insuficiente para a candidatura. No momento da inscrição você decide entre três modalidades de concorrência

  • por ampla concorrência;
  • vagas reservadas ;
  • ou vagas destinadas às políticas afirmativas próprias da instituição.

As vagas reservadas (no mínimo 50%, por curso e turno) destinam-se a estudantes que cursaram o ensino médio em escola pública, incluindo colégios militares que se encaixem no conceito ‘escola pública’. Confira Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Alunos da modalidade Educação de Jovens e Adultos (EJA) também estão inclusos.

Destas vagas, metade é destinada a alunos com renda de até 1 salário mínimo e meio por pessoa. Lembrando, some a renda bruta familiar – de todas as pessoas que moram com você – e divida pelo número de pessoas. Se o valor for de até 1,5 salário mínimo, você pode participar.

Quanto às vagas destinadas às políticas públicas, significa que a instituição pode oferecer um bônus à nota do concorrente, que é uma pontuação extra acrescida à nota do ENEM obtida pelo candidato. Ver exemplo de bônus em Bônus.

Se você optar por esta modalidade, terá que comprovar as informações com documentos exigidos pela instituição.

Lembrando que o SISU só oferta vagas para cursos presenciais, ou seja, se você pensa em fazer um curso à distância, esqueça o SISU, a menos que haja alguma modificação nos anos seguintes.

As inscrições para o PROUNI e SISU, acontecem no início de cada semestre, ou seja, duas vezes por ano. Você pode se inscrever nos dois, mas caso seja selecionado em ambos, deve escolher entre a vaga em instituição pública ou privada.

Todas as informações você encontra no site SISU

 

Se este post te ajudou, continue por aqui, comente, compartilhe, deixe seu like!

 

Até a próxima!

JÁ DECIDI O CURSO: COMO INGRESSAR? (PROUNI)

Muitas pessoas fazem a prova do ENEM, mas não têm muita noção da quantidade de possibilidades de ingresso. Acompanhe a série!

A partir de hoje vou publicar uma série sobre FORMAS DE INGRESSO. Fique por aqui!

Se você já passou daquela fase de teste vocacional, pesquisa e autoconhecimento descritas nos posts anteriores – veja E agora? Como decidir qual curso fazer?, Decidindo a profissão: o caminho do autoconhecimento, FIZ O TESTE VOCACIONAL, E AGORA? – chegou a hora de falar sobre as formas de ingresso. Este post será dividido em algumas partes e eu vou falar de cada forma de ingresso separadamente para não me estender muito.

O Exame Nacional do Ensino Médio (ENEM) não é segredo para ninguém e você utilizará a nota para tentar uma vaga tanto em instituições públicas quanto privadas. Lembre-se de guardar o número de inscrição e senha do ENEM, você vai precisar para se inscrever no programa.

Após fazer o ENEM, você pode usar a nota e tentar uma bolsa de estudos parcial (50%) ou integral através do Programa Universidade Para Todos (PROUNI). Se o seu sonho é entrar em uma instituição particular, então o Prouni é ideal para você.

Vamos lá, quais são os requisitos para se inscrever:

Primeiro é preciso ter feito a prova do ENEM do ano anterior à candidatura e ter obtido uma nota média de 450 pontos. Lembrando que se você zerar a redação não pode participar. Então, usando a nota do ENEM você ainda precisa:

– Ter estudado em escola pública no ensino médio ou estudado em escola particular, porém como bolsista.

– Se você possui alguma deficiência também pode se inscrever.

– Se você é professor da rede pública de ensino, no efetivo exercício do magistério da educação básica ou ainda é integrante do quadro de pessoal permanente da instituição pública pode se inscrever e NÃO É NECESSÁRIO COMPROVAR RENDA – apenas para este caso.

Os participantes, com exceção do grupo acima, devem comprovar renda familiar. Para concorrer à bolsa integral, a renda deve ser de até um salário mínimo e meio por pessoa. Até a data deste post, isso equivale a R$ 1405,50 – altera de acordo com valor do salário mínimo estipulado. É bem simples calcular. Some toda a renda familiar e divida pelo número de pessoas que moram na sua casa, se o valor estiver dentro deste 1 salário mínimo e meio, então siga em frente, você pode concorrer a uma bolsa integral.

Mas, se você se encaixa em todos os requisitos, porém sua renda é um pouco mais alta, não se preocupe você ainda pode conseguir uma bolsa parcial, e pagará 50% do valor do curso. A renda familiar neste caso deve ser de no máximo 3 salários mínimos por pessoa. Ou seja, somando-se a renda de todas as pessoas que moram na sua casa, dividindo esse valor pela quantidade de pessoas que moram aí com você, cada pessoa pode ganhar até R$ 2811,00 até a data de publicação deste post – o salário mínimo atual é de R$ 937,00. Lembrando que você precisará comprovar todas as informações fornecidas.

O PROUNI é uma excelente oportunidade de ingresso para pessoas que não tem condições de pagar o curso. Lembrando que não é só o custo do curso em si. Você vai ter gastos com transporte, alimentação, etc. Vou publicar um post falando sobre isso também.

São duas oportunidades ao ano para você ingressar – uma no primeiro semestre e outra no segundo semestre do ano. São feitas duas chamadas e você ainda pode participar da lista de espera.

No momento da inscrição você escolhe as opções de ampla concorrência ou por cota – em casos de deficiência ou que se declare indígena, preto ou pardo. Você pode alterar a opção escolhida de curso, instituição, se será por cota ou ampla concorrência durante todo o período de inscrição, será válida a última opção marcada. A partir do segundo dia de inscrições você já visualiza as notas de corte para ter noção das suas chances. Você pode escolher primeira e segunda opção de curso.

Encerrado o prazo de inscrição, caso você seja classificado – de acordo com sua nota e opções marcadas – você será chamado a comparecer na instituição de ensino para comprovar as informações. O PROUNI já tem uma lista de documentação, mas a instituição pode pedir algo mais que achar necessário. Se estiver tudo certo com a papelada, a faculdade entra em contato com você e daí é só arregaçar as mangas e estudar muito.

E aí? Este post te ajudou?  Compartilhe e continue por aqui. Essas informações você encontra no site do PROUNI, link abaixo:

Site PROUNI

Agora se você ainda se sente um pouco perdido na escolha do curso, leia os posts anteriores. Abraços!