Transferência, e agora? Mudo ou não de faculdade?

Uma dúvida cruel que em algum momento ronda a cabeça dos alunos é sobre a transferência. Algo na instituição atual o incomoda ou você ouviu falar muito bem de outra faculdade que apresenta mais benefícios. Você mudou de cidade, ou bairro e não quer estudar longe porque está cansado. Hoje o post é para dar uma luz para quem quer transferir, mas não sabe quais critérios avaliar ou mesmo não tem coragem de trocar o certo pelo duvidoso.

Primeiro, vou falar brevemente sobre os motivos que me fizeram transferir de instituição, apesar de que vou falar de transferência de curso e de instituição.

Até o meu sétimo período estudei em uma instituição excelente, com uma estrutura que não deixava nada a desejar. E o mais importante e valioso da instituição: os PROFESSORES. Eu explico. Se você tem excelentes professores, todo o resto fica em segundo plano, porque eles são os profissionais que estão no mercado – no caso de uma faculdade particular – e que fazem as aulas acontecerem que vão te trazer o que há de melhor em conhecimento e dicas práticas, então, avalie principalmente os professores da sua instituição atual. Se forem muito competentes e dedicados, tiverem paixão por ensinar, então talvez você realmente deva permanecer aí onde está.

No meu caso foi tudo excelente até o sétimo período, apesar de pequenas alterações que vinham sendo feitas por parte de um grande grupo que comprou esta e várias outras instituições de ensino. O oitavo período foi péssimo. Alterações horrorosas aconteceram, pessoas incompetentes assumiram cargos num total despreparo e sem formação específica na área, a qualidade das aulas caiu muitíssimo, isso quando havia aulas e como falei, o mais importante – os professores – ficaram desmotivados e a qualidade das aulas, algo que deveria ser intocado, “foi pelo ralo”. Apesar de a mensalidade ser uma das mais caras da região. Sim, eu já falei aqui que sou bolsista, tenho bolsa integral. Eu pago o preço não em dinheiro, é estudando muito e exigindo uma educação digna, porque eu sei o quanto lutei para chegar até aqui. Então não sai “de graça”, como muitos brasileiros infelizmente pensam.

Após um semestre de lutas, decidi sair, porque não importava o quanto eu movimentasse os alunos, onde há pessoas que só reclamam nos corredores, não há mudança. Leia também Não entre na faculdade para ser um Zé Mané!

Enfim, eu cheguei ao um nível altíssimo de intolerância com a falta de respeito que o meu país tem pela educação em todos os níveis, porque isso infelizmente vem desde a educação de base. Esses foram, sem muitos detalhes, os motivos que me fizeram transferir com muito pesar, porque meus colegas de turma são ótimos e tive muita dor em deixá-los, sonhava em estar na formatura com eles.

Agora para você, vou escrever os critérios que devem ser pensados, avaliados.

1) Quero transferir de curso

Para você que não tem problemas com a instituição e sim com o curso que está fazendo porque se arrependeu de ter escolhido algo que não tem nada a ver com você, eu recomendo que leia FIZ O TESTE VOCACIONAL, E AGORA?Decidindo a profissão: o caminho do autoconhecimento, Temperamento: O que “isso” tem a ver com a minha profissão?, mas primeiro, responda a estas perguntas:

Em que período você está?

Falta mais da metade ou menos da metade para terminar o curso?

É importante porque se você descobriu que o curso não é para você já tendo concluído mais da metade dele é porque você é no mínimo muito desatento. Andou se arrastando. Neste caso, considere terminar este curso apenas para agregar valor no currículo. Mesmo que não tenha nada a ver com o novo curso que você pretende, talvez, num futuro não distante você use estes conhecimentos. Então, se chegou até aqui, vale a pena pegar o canudo, ter paciência, e começar o curso dos seus sonhos depois.

Agora se você começou e não concluiu nem metade do curso, aconselho que mude imediatamente. Viu que foi um erro, então não permaneça nele. Mas tenha certeza absoluta do que realmente quer fazer, para não entrar um ciclo de troca. Leia os posts anteriores deste blog sobre escolha de profissão.

2) Quero transferir de instituição

Primeiro responda a seguinte pergunta:

Por que eu desejo a transferência?

Se,

  •  a instituição é uma completa propaganda enganosa
  •  a estrutura não é adequada tendo em vista a mensalidade cobrada
  •  não estou sendo preparado para o mercado
  •  mudei ou vou mudar de cidade ou bairro e meu deslocamento vai pesar no meu orçamento, ou ficarei muito cansado

Então, estes são alguns motivos que considero relevantes para uma transferência. Claro, que a soma deles torna imperativa a mudança. Devo frisar que defeitos, serão encontrados em TODAS as instituições. Aqueles probleminhas de enturmação no começo do semestre, dificuldade em falar com o coordenador devem ser relevados porque acontecem em muitas instituições. Não há instituição perfeita, mas uma instituição séria melhora a cada semestre, então observe: desde que você entrou tem melhorado ou piorado? Se tem piorado você realmente deve pensar em procurar outro lugar.

Agora, quando NÃO MUDAR DE INSTITUIÇÃO.

Já ouvi aluno dizer que vai mudar porque estão cobrando muito dele, porque a porcentagem exigida para ser aprovado nas matérias é muito alta. Porque não tem tudo “mastigadinho” pelo professor. Por favor, claro que seus professores devem ser facilitadores da informação e ensinar com prazer, não para sacanear. Mas a cobrança é muito boa e nos faz crescer. Uma vez que saímos do ensino médio, a tendência é que as dificuldades e cobranças aumentem, é o normal da vida adulta. Então avalie o porquê de você realmente querer sair.

A forma como eles te tratam no momento da transferência faz toda a diferença também. Fui super mal atendida quando solicitei a documentação de transferência na antiga instituição. Isso só me deu a certeza que deveria realmente sair.

Então, avalie com cuidado os motivos da transferência de curso ou instituição, ou ambos, leia os posts anteriores deste blog se tiver dúvidas relacionadas à sua profissão e vá estudar. Boa sorte!

Assuntos que podem interessar:

Dá um tempo!

JÁ DECIDI O CURSO: FIES é uma boa opção?

JÁ DECIDI O CURSO: COMO INGRESSAR? (QUERO BOLSA | EDUCA MAIS BRASIL | MAIS ESTUDO NEORA)

JÁ DECIDI O CURSO: COMO INGRESSAR? (SISU)

JÁ DECIDI O CURSO: COMO INGRESSAR? (PROUNI)

 

 

ANALFABETISMO FUNCIONAL? Não no seu caso – 5 dicas de interpretação de texto

Você já deve ter ouvido falar alguma vez na sua vida de estudante que para escrever bem é preciso ler muito. Não mentiram para você, mas talvez tenham esquecido de dizer que para interpretar os textos também é preciso muita leitura.

Uma notícia divulgada em 2016 muito me entristeceu e me inspirou a pensar em algo que pudesse ajudar você que tem dificuldades em interpretação de texto a enxergar a interpretação de uma forma prazerosa e necessária não só nas provas de Português e Literatura, afinal, os enunciados estão presentes em todas as questões. Até para calcular você precisa saber ler o que está sendo pedido.

Uma pesquisa revelou que apenas 8% dos brasileiros entre 15 e 64 anos são capazes de se expressar e compreender plenamente. Teoricamente as pessoas deveriam sair do ensino médio sabendo ler e escrever, opinar sobre diversos assuntos, além da compreensão de tabelas e gráficos. Não é o que acontece na prática. O ENEM 2017 revelou isso, indicando que 92,5% dos alunos seriam reprovados caso estivessem em uma escola regular. Sim, o ENEM é uma prova extremamente cansativa e ainda testa muito a resistência dos candidatos, não só o conhecimento propriamente dito, porém estas notas estão realmente ruins. Nada justifica. Se a prova fosse composta de menos questões as notas não seriam muito diferentes porque culturalmente a maioria dos brasileiros ainda não acordou para a importância da educação como ferramenta de luta contra este governo corrupto, que não deseja que os brasileiros saiam deste nível.

A nota máxima em ‘Linguagens, Códigos e suas Tecnologias’ não chegou a 800 pontos no ENEM 2017 e houve queda na nota média em relação ao ENEM 2016. Este post pode “iluminar” de alguma forma alguma obscuridade que você tenha sobre o assunto com algumas dicas. Acredite, as respostas estão lá, nos textos, você só precisa ter atenção.

Primeiro vamos entender o que é um TEXTO. Você pode pensar que é apenas um conjunto de palavras. Porém um texto não se restringe a isso e nós estamos rodeados deles e podemos lê-los, compreendê-los, antes mesmo de sermos alfabetizados. Um texto pode ser VERBAL e NÃO VERBAL. Os não verbais são aquelas tirinhas que você lê navegando na internet, charges, placas de trânsito, fotografias, filmes mudos também, etc. Tudo o que passa uma mensagem mas não necessariamente usa a escrita é um texto.

O que é interpretar? É entender o que está “escrito”. É como se você “traduzisse” mentalmente no momento da leitura. Você sabe o que o autor quis dizer.

Dica 1

Para interpretar textos verbais, atente-se para a ideia de que cada parágrafo apresenta uma ideia principal. Exercite enxergar esta ideia e sua capacidade de interpretação vai alavancar.

Dica 2

Estude ‘figuras de linguagem’, ‘tipos textuais’ e ‘ gêneros textuais’. Lembra das figuras de linguagem? Metáfora, hipérbole, eufemismo, pleonasmo, etc. Então, com alguns minutos de estudo e exemplos, você aprende a identificar cada uma delas e você vai poder usá-las como uma espécie de chave na interpretação. Já os tipos textuais – narrativo, descritivo, dissertativo – são muito importantes também. Estude suas características para saber o que está lendo. Os gêneros textuais também são cobrados em provas, lembra deles? Artigo, crônica, reportagem, diário, poema, etc. Atente-se para isso. Tire alguns dias para aprender sobre eles, é interessante e vai ajudar você.

Dica 3

Leia primeiro o ENUNCIADO. Isso é dica de ouro para toda a prova que for fazer. Preste atenção na fonte também, ela aparece sempre no rodapé das questões e pode inclusive te salvar quando tiver em dúvida entre duas questões. Ela é a indicação de onde foi retirado o texto, seja ele verbal ou não e você pode descobrir as intenções de quem elaborou a questão atentando-se a ela.

Dica 4

Nunca deixe nenhuma palavra “para trás”. Eu digo isto porque é normal nos depararmos com palavras que não sabemos os significados. Enriqueça seu vocabulário quando estiver lendo, anote e procure num dicionário. Não perca a oportunidade de conhecer uma palavra que a maioria não conhece e que pode ser fundamental para a correta interpretação da questão.

Dica 5

Existe a possibilidade de ter mais de uma alternativa “correta”. Isso confunde muito nosso cérebro. Porém, o que você deve estabelecer é: qual a resposta pedida? Você vai se deparar com exemplos em que duas alternativas “falam a verdade” em relação a algum assunto, mas é o que está sendo pedido? Está explícito no texto? Se você desvendar a intenção de quem elaborou a questão, então você descobriu o segredo para fazer uma boa prova.

Recapitulando:

  • Primeiro leia o enunciado
  • Depois a fonte
  • Descubra o que se pede
  • Leia o texto grifando as partes chaves de acordo com o que foi pedido no enunciado.

Vamos fazer juntos. Respondi algumas questões de interpretação de texto retiradas da prova do ENEM 2017, usando as dicas acima, espero que ajude você na sua caminhada. Divirta-se. É mais simples do que parece e com muito treino torna-se quase automático.

correção provas_INTERPRETAÇÃO DE TEXTO-1

correção provas_INTERPRETAÇÃO DE TEXTO-2

correção provas_INTERPRETAÇÃO DE TEXTO-3

E para você que não tem problemas com a interpretação de textos e na verdade nem escolheu a profissão que vai seguir, se vai estudar ou não, leia os posts abaixo.

REDAÇÃO ENEM: 6 dicas de sites que te ajudarão a turbinar seu potencial de escrita!

3 MOTIVOS PARA INGRESSAR NO ENSINO SUPERIOR

Decidindo a profissão: o caminho do autoconhecimento

Temperamento: O que “isso” tem a ver com a minha profissão?

FIZ O TESTE VOCACIONAL, E AGORA?

Curso Técnico ou Graduação?

Abraços!

 

Excel para a vida

Você com certeza já notou em inúmeras vagas de emprego a exigência de conhecimentos em Excel como requisito para sua candidatura. Independente da sua área de atuação, e mesmo para você que apenas concluiu o ensino médio, o Pacote Office (Windows, Word, Excel, Access, Outlook e Power Point) avançado pode te ajudar se você busca recolocação profissional ou mesmo a ingressar no mercado de trabalho.

Este software – Excel – foi desenvolvido pela Microsoft e é amplamente utilizado pelas empresas. Eu citei o Pacote Office completo, mas o Excel é o mais pedido e aconselho que você comece por ele.

Leia mais sobre a importância do Uso do Excel nas Empresas.

Porém, mesmo para você que não deseja trabalhar com o programa, seus recursos podem ajudá-lo na organização de suas tarefas acadêmicas de forma rápida. Você pode montar seu cronograma de estudos, horários das aulas, controlar seus gastos pessoais – o que é muito importante mesmo se você é um estudante que não trabalha. O fato é que com o Excel você “mata dois coelhos com uma cajadada só”.

Eu recomendo alguns cursos que você pode fazer sem sair de casa e a qualidade é excelente:

Agora se você deseja uma opção mais completa com um suporte maior eu recomendo os cursos:

As lições são curtas e objetivas. Você tem acesso ao conteúdo 24 horas por dia. Assista ao vídeo.

MS Excel Básico ao Intermediário

MS Excel Avançado

E ainda estou deixando para você um link com as 68 fórmulas mais usadas no Excel separadas por função:

68 Fórmulas mais usadas no Excel

Então, gostou deste post? Compartilhe, marque seus amigos, deixe seu like e comece já a usar esta ferramenta a seu favor!

Outras dicas:

Crescimento Pessoal e Profissional

 

Abraços!

ALERTA: como Não obter a nota para passar no curso dos seus sonhos

 

Eu disse que explicaria para vocês os motivos da minha reprovação no vestibular e, apesar de o ENEM ter se tornado a ‘chave’ para a entrada em qualquer que seja a instituição de ensino, substituindo aquele formato tradicional, acredito que vai ser útil para você saber o que NÃO deve fazer caso queira realmente ingressar no ensino superior. Eu sempre te incentivo a buscar seu sonho, escolher com carinho a sua profissão, qual curso fazer e por isso, me sinto na obrigação de alertar que, quando chegar lá, você precisa estar bem. SAUDÁVEL. É válido para quem sonha em passar em um concurso público também. Fiz esse post baseada na minha experiência e não exagerei em nada a respeito dos erros comentados aqui. Leia com atenção:

1º ERRO: fiquei tão obcecada com minha aprovação que NÃO DORMIA O SUFICIENTE

Como eu já comentei com vocês eu fiz cursinho para me preparar para a tão sonhada aprovação no vestibular.  Porém, chegou um momento em que eu estava tão fissurada que não dormia direito. Eu acordava às 5:30h todos os dias para ir para o cursinho porque eu morava longe, até me arrumar e ainda tinha que contar com os horários de ônibus, tempo entre um e outro, enfim, era muito cedo. Quando não ficava o dia todo estudando no cursinho eu ia para casa e estudava até por volta das 21:00h. Neste horário eu dormia até meia noite – ou seja, apenas 3 horas de sono. Acordava e estudava até às 3:00h. Deitava para acordar às 5:30 de novo. Assim, comecei a estudar cada vez mais e dormir cada vez menos. Ficou tão sério que procurei um psicólogo já que comecei a “ver e ouvir” coisas que não estavam acontecendo, como delírios, ele me explicou que era a falta de sono.

2º Erro: NÃO TINHA TEMPO PARA O LAZER

Eu estudava de domingo a domingo e quando pensava em sentar e assistir um filme para relaxar, por exemplo, minha consciência me acusava e então eu simplesmente voltava a estudar.

3º Erro: ESTUDAVA DEMAIS

Por incrível que pareça, estudar muito também não é saudável. Estudei tanto, que quando chegou o mês de outubro – faltando praticamente uns 2 meses para o vestibular – minha mente já não funcionava. Era como se não coubesse mais nada e aí batia aquele desespero.

4º Erro: NÃO ME ALIMENTAVA DIREITO

Como eu queria ganhar tempo, cada vez mais preferia ficar o dia todo na biblioteca do cursinho estudando, então eu passei a comer cada vez menos. Pior do que não comer era fazer refeições de péssima qualidade, aliás, não sei se posso chamar salgado de refeição – era o mais prático. Em consequência disso no ano seguinte descobri que estava anêmica.

5º Erro: FALEI DOS MEUS SONHOS PARA AS PESSOAS “ERRADAS”

As pessoas que não querem te ver bem – e acredite em mim você vai se surpreender – vão fazer de tudo para te desanimar na sua caminhada.

Esses cinco erros considero os mais graves e mais relevantes para postar aqui, tiveram outros, inúmeros deles, que foram consequência dos citados. Eu estou aqui para incentivar o seu sonho, para fazer você buscar o autoconhecimento. Mas eu preciso te alertar sobre os malefícios de não cuidar da sua saúde. Você precisa se alimentar bem, fazer todas as refeições com calma, sem pressa. Pode e deve ter seus momentos de lazer com sua família e amigos. Deve dormir de 6 a 8 horas. Eu entendo que as 24 horas do dia parecem poucas e a cada dia parecem encurtar mais. Mas ter o controle do seu tempo é muito importante para obter resultados satisfatórios também.

Não atropele seu ritmo, até porque, não adianta. Não sinta culpa quando não entender determinada matéria, dê um tempo e depois recomece. Permita-se sentar e assistir um filme ou série que gosta, ouvir uma música. Não estou dizendo para procrastinar e nunca sentar para estudar. Mas se você só estudar vai chegar um momento em que não importará mais seu esforço, você não assimilará as coisas.

Mas quantas horas por dia eu tenho que estudar então? Depende, porque varia de pessoa para pessoa. Eu aconselho o que funciona para mim – enquanto não vejo a hora passar, continuo. Assim que começo a ‘voar’ (perder o foco) faço uma pausa. Se você tiver tempo disponível para estudar mais depois, use. Se não, continue no dia seguinte. Eu vou escrever um post sobre como planejar uma rotina de estudos para quem ainda não sabe como fazer. Vou deixar abaixo uns links que quero muito que você leia, é importante.

Dormir pouco eleva o risco de doenças

Alimentos que ajudam na fixação do conteúdo

Veja Também

‘Caderno do Eu’, você busca o autoconhecimento fazendo exercícios criados por uma psicoterapeuta, coach e arteterapeuta:

Caderno do Eu

O guia definitivo propósito de vida prospere vivendo a vida que você nasceu para viver”. Não é autoajuda!

Saiba mais!

 

Temperamento: O que “isso” tem a ver com a minha profissão?

Em todos os posts eu venho batendo na mesma tecla: autoconhecimento. Quando você conhece suas características positivas e negativas, você compreende melhor suas atitudes e encontra o equilíbrio para se tornar uma pessoa melhor para o convívio social. Sim, mas como o temperamento afeta na escolha da profissão?

O grego Hipócrates já defendia a teoria dos quatro humores. Ele acreditava na existência de quatro fluidos corporais básicos: sangue, fleuma, bile amarela e bile negra, onde o mais predominante determinaria o tipo de temperamento do indivíduo. Cada fluido está relacionado a um tipo de temperamento:

Sangue – sanguíneo

Fleuma – fleumático

Bile amarela – colérico

Bile preta (escura) – melancólico.

Conhecendo seu temperamento você descobre características intrínsecas que nunca havia parado para pensar e pode usar isso a seu favor, ao ter consciência de suas habilidades natas, além de melhorar os pontos onde as dificuldades são naturais. Vou apresentar uma visão geral com características básicas de cada temperamento. Para ter uma visão mais aprofundada faça o teste, pesquise e descubra mais.

Se você é um indivíduo que costuma ser impulsivo, tem reações intensas, possui agilidade e é ambicioso, provavelmente o seu temperamento é o colérico. Por sua liderança nata, os coléricos costumam ocupar cargos de presidência, embora possam apresentar certo autoritarismo e teimosia.

Já os sanguíneos, são aqueles que se comunicam muito bem, são extrovertidos e vaidosos, mas não é uma característica típica destes se “aprofundar” e, terminar o que começam é uma grande dificuldade, pois perdem o foco com certa facilidade. Geralmente é alguém muito amado pelas pessoas do seu convívio.

Os melancólicos são reservados e extremamente reflexivos. São aquelas pessoas que sentem e remoem por muito tempo os acontecimentos. Cuidam muito bem dos detalhes. Muitos consultores têm esse temperamento, sendo excelentes planejadores. São pessoas muito tímidas e não pró-ativas. Profissões em que o contato com público não seja necessário são mais adequadas, como programação de computadores, por exemplo.

As pessoas discretas e leais, aquelas que você confia seus segredos, são os fleumáticos. São muito inteligentes e procuram sempre o equilíbrio. Não costumam tomar partido e têm grande facilidade em se relacionar com as pessoas embora não sejam tão comunicativos quanto os sanguíneos. Costumam ser bons profissionais quando decidem cursar engenharia, por exemplo.

Lembrando que, mesmo havendo a predominância de um tipo de temperamento, nós temos características dos outros três tipos e como nossa evolução acontece em ritmos diferentes, pode ser que ao fazer o teste, você não se identifique com uma ou outra característica. O teste que indico aqui mostra a porcentagem e cita características do temperamento separadamente e em combinação. Mas não se atenha a este conteúdo, busque mais, pesquisa, afinal, quanto mais você se conhece, mais fácil a escolha do curso que tem mais a ver com você, com seus objetivos de vida.

Esta imagem foi retirada do Blog Calebante
Fonte: http://calebante.blogspot.com.br/2012/11/os-quatro-temperamentos-segundo.html

 

Separei aqui um teste online gratuito para você descobrir seu temperamento:

Teste Temperamento

Compare as características do teste de temperamento com o teste vocacional do CIEE e cruze as informações, você vai chegar lá:

Teste Vocacional CIEE

Veja também:

Guia Definitivo Propósito de Vida

Caderno do Eu

E aí? Esta postagem te ajudou? Se sim, continue por aqui acompanhando o “DE ESTUDANTE PARA ESTUDANTE” e incentive seus amigos que estão na mesma busca que você a fazer o mesmo.

 

Até a próxima!

FIZ O TESTE VOCACIONAL, E AGORA?

Já indiquei aqui um excelente teste vocacional do CIEE – vou deixar o link novamente no final do post. Por que ele é tão bom? Além de ser gratuito ele se baseia em indicadores de temperamento – eu vou escrever um post sobre temperamento também, mas agora focaremos no teste em si.

O que muitas pessoas reclamam após fazer um teste vocacional, é que aparece uma lista tão extensa de possibilidades de curso que você fica perdido e, talvez mais confuso ainda. O teste apresenta sugestões de carreiras que tem mais a ver com seu perfil de acordo com suas respostas. No teste você deve ser extremamente sincero e pensar nas coisas que você realmente gosta e em quem você realmente é, não em quem gostaria de ser. É aí que está. Você ficará preso a um teste vocacional na hora de decidir a profissão? Não, claro que não.

As várias sugestões que aparecem em um teste vocacional servem como um guia para mostrar uma realidade maravilhosa: você não nasceu com uma restrição de área de atuação. Nada impede que você seja muito bom em exatas e humanas – citei os extremos. Eu falo isso porque muitas pessoas acreditam que quando você se dá bem com números é porque não gosta de leitura e vice-versa. Uma carreira jurídica na área tributária, por exemplo, exige que o estudante de Direito goste também de matemática embora a pessoa não precise ser genial com números.

Mas se tenho capacidade de fazer vários cursos muitas vezes em áreas que nem parecem ter relação alguma, como eu escolho? Simples, após seguir os passos que eu indiquei nos posts anteriores sobre autoconhecimento e como pesquisar a modalidade de curso ideal para você, pense e imagine que você tivesse todas as profissões sugeridas no teste. Você terá que pesquisar o que cada profissional faz e imaginar-se como um. Agora, mesmo sendo essa pessoa incrível que é, podendo fazer um milhão de coisas, imagine que você terá de abdicar de todas e só poderá escolher uma. Quando você consegue se imaginar sem uma atividade específica, então, você pode viver sem ela. Não é tão importante assim. Uma super dica: sua vocação tem muita ligação com o que mais te incomoda no mundo. A sua área é aquela que você pensa: ‘nossa, eu faria isso, mas de uma maneira muito melhor’!´

Fora o teste e as reflexões, pesquisas e todas as dicas que eu dei, converse com profissionais que atuam na área. Mas não aquelas pessoas frustradas com a carreira. Procure pessoas que amam o que fazem para não ser intoxicado com visões negativas. Não estou dizendo para não ser realista. Mas se você descobriu que determinada área é para você, por que ouvir pessoas que não deram certo? Você pode se basear em experiências alheias para ter consciência de possíveis riscos, mas jamais deixar de realizar um sonho porque alguém não conseguiu. O Filme “À Procura da Felicidade” mostra uma cena perfeita que resume o que quero dizer:

Nunca deixe que alguém te diga que não pode fazer algo. Nem mesmo eu. Se você tem um sonho, tem que protegê-lo. As pessoas que não podem fazer por si mesmas, dirão que você não consegue. Se quer alguma coisa, vá e lute por ela. Ponto final.”

Se você curtiu esse post, deixe seu comentário e continue aqui nos acompanhando. Indique para as pessoas que você acredita que estão precisando de ajuda nessa área também. Abaixo os links para te ajudar a “se encontrar”:

Teste Vocacional CIEE

‘Caderno do Eu’, você busca o autoconhecimento fazendo exercícios criados por uma psicoterapeuta, coach e arteterapeuta:

Caderno do Eu

O guia definitivo propósito de vida prospere vivendo a vida que você nasceu para viver”. Não é autoajuda!

Guia

Curso Técnico ou Graduação?

Uma dúvida cruel que vem após a escolha da área de atuação é: vou direto para o curso de Graduação ou faço um Curso Técnico primeiro? Isso depende. Mas depende de que? Do seu perfil e objetivo profissional. Se você quer fazer um curso de duração menor – aproximadamente um ano e meio – com a possibilidade de ingressar mais cedo no mercado de trabalho e ter experiências mais práticas, o curso técnico é o mais aconselhável no seu caso. Este curso permite que você tenha contato com o ambiente de trabalho antes de iniciar uma graduação e com isso, decidir de vez se é realmente a área de sua vocação.

Mas se você já decidiu o caminho a seguir e não tem dúvidas de qual curso de graduação é a melhor opção para você, siga em frente. Afinal, o curso técnico não é requisito para ingressar na faculdade e tem determinados cursos de graduação que não terão a modalidade de curso técnico relacionado.

Eu indico o curso técnico se você tiver a oportunidade de fazer, pois na faculdade os conteúdos não são tão “mastigados” como nesse curso e você tem a vantagem de iniciar a graduação tendo os conceitos da sua área internalizados, facilitando seu aprendizado. Indico também para pessoas que não tem paciência nenhuma com teoria e têm muita facilidade em perder o interesse por projetos que iniciam. O curso técnico tem uma “pegada” mais prática que a graduação e você não perderá o interesse facilmente porque, se buscar uma boa escola, com laboratórios bem equipados, com certeza não terá vontade de desistir. Tem teoria também, mas muito mais prática que um curso de graduação.

Atenção!!! Não estou incentivando o desânimo e desistência com isso, mas a facilidade de desistir de projetos também está relacionada com o temperamento da pessoa, que entra no campo de autoconhecimento (Leia o post “Decidindo a profissão: o caminho do autoconhecimento). Não é desculpa, mas vou falar sobre isto num outro post, aguardem…

Agora se você já está na faculdade e sente que poderia ter mais aulas práticas do que o curso oferece – geralmente é perfil do curso oferecer mais conteúdo teórico – não se preocupe. Existe um projeto do IEL, SENAI e SESI, chamado Futuros Engenheiros, com duração de seis meses que oferece a oportunidade de cobrir essas lacunas ofertando aos estudantes do 5º ao 10º período a oportunidade de desenvolver suas habilidades comportamentais e competências técnicas. #Ficaadica. Lembrando que só é ofertado para alunos do curso de engenharia e tenho informação do curso só em Minas Gerais, acredito que não está disponível em outros estados.

Na verdade as diferentes modalidades de curso não são consideradas melhor nem pior umas das outras. O fato é que existem soluções para cada momento de vida e objetivo do aluno. Cabe a você, depois de decidir sua área de atuação identificar o que é melhor e mais viável para a sua situação em um determinado momento.

Essas informações te ajudaram? Então continue acompanhando o ‘De Estudante para Estudante’. Abaixo alguns links úteis:

Programa Futuros Engenheiros

Leitura Complementar Guia do Estudante

Caderno do Eu

 

Muito obrigada,

 

Até mais!